Fatores de risco para o desenvolvimento de demências: reflexão sobre indicadores sociais e de saúde dos presídios do estado de São Paulo na ótica gerontológica

Autores

  • Laydiane Alves Costa GETEC
  • Thais Bento Lima da Silva
  • Bibiana Graeff Chagas Pinto

DOI:

https://doi.org/10.61583/kairs.v26i33.34

Palavras-chave:

Pessoa idosa, Demência, Sistema prisional

Resumo

Este trabalho tem como objetivo levantar quais fatores de risco estão associados à ocorrência de quadros demenciais observados em estabelecimentos prisionais em São Paulo, devido ao agravamento das condições de saúde em ambiente degradante dos estabelecimentos prisionais, concomitante a um estilo de vida não saudável. Trata-se de pesquisa documental de caráter qualitativo com análise de referencial teórico e relatórios de inspeção realizados no ano de 2019 pelo Núcleo Especializado de Situação Carcerária da Defensoria Pública do Estado de São Paulo.

Referências

Associação Brasileira de Gerontologia. (2013). Código de Ética do Profissional Gerontólogo. https://www.abgeronto.org.br/sobre-a-abg

Assembleia Geral da ONU. (1948). "Declaração Universal dos Direitos Humanos" (217 [III] A). Paris. Retirado de http://www.un.org/en/universal-declaration-human-rights/

Defensoria Pública do Estado de São Paulo. (2018). Estudo do envelhecimento no cárcere. Núcleo especializado de situação carcerária e Núcleo da pessoa idosa e da pessoa com deficiência. Núcleo Especializado de Situação Carcerária.

Defensoria Pública do Estado de São Paulo. (2022). Núcleo especializado de situação carcerária. https://www.defensoria.sp.def.br/dpesp/Default.aspx?idPagina=3078

Direitonet. (2017). Realidade do Brasil. Recuperado de http://www.direitonet.com.br/artigos/exibir/3481/A-realidade-atual-do-sistema-penitenciario-brasileiro.

Favaretto, B. G. S., Peixoto, V. L. A., Souza, M. E. F., & Negreiros, D. S. (2021). Epidemiologia de Demências no SUS. Revista de Patologia do Tocantins, 8(1), 17-22. https://doi.org/10.20873/uft.2446-6492.2021v8n1p17

Gil, A. C. (2011). Método e Técnicas de Pesquisa Social (6a ed.). Atlas.

Goffman, E. (1961). Manicômios, prisões e conventos. Editora Perspectiva. https://app.uff.br/slab/uploads/Manicomios-prisoes-e-conventos.pdf

Hayes, A. J., Burns, A., Turnbull, P., & Shaw, J. J. (2013). Social and custodial needs of older adults in prison. Age and ageing, 42(5), 589–593. https://doi.org/10.1093/ageing/aft066

Herrmann, M. E. C. (2020). A Convenção Interamericana sobre a Proteção dos Direitos Humanos das Pessoas Idosas e sua importância para o Direito brasileiro [Dissertação de mestrado, Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo).

Laginestra-Silva, A., Tuyama, F. L. G., Cerceau, V. R., Mariano, T. D. C. A., Pinheiro, H. A., & Oliveira, M. L. C. (2021). Prevalência de demências no Brasil: um estudo de revisão sistemática. Rev Neurociências, 29, 1-14.

Lazarus, R. S. (1995). Psychological stress in the workplace. In R. Crandall & P. L. Perrewé (Eds.), Occupational stress: A handbook (pp. 3-14). Washington, DC: Taylor & Francis.

Lei nº 10.741, de 1º de outubro de 2003 (2003, 3 de outubro). Dispõe sobre o Estatuto da Pessoa Idosa e dá outras providências. (Redação dada pela Lei nº 13.423, de 2022). http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2003/l10.741.htm

Maria, M. L. S, & Costa, M. (2020). Ansiedade e depressão em detentos. Unifunec Ciências da Saúde e Biológicas, 3(6), 29-51. https://doi.org/10.24980/ucsb.v3i6.4093

Ministério da Justiça e Segurança Pública. (2020). Nota Técnica n. 13 DIAMGE/CGCAP/DIRPP/DEPEN/MJ. https://idoso.mppr.mp.br/arquivos/File/NT_13_2020_MJ.pdf

Ministério da Saúde. (2018). Agenda de Prioridades de Pesquisa do Ministério da Saúde – APPMS. Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos, Departamento de Ciência e Tecnologia. https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/agenda_prioridades_pesquisa_ms.pdf

Neri, A. L., Cachioni, M. (1999). Velhice bem-sucedida e educação. In A. L. Neri, & G. G. Debert, Velhice e sociedade (pp. 113-140). Papirus

Oliveira, L. V., Costa, G. M. C., & Silva Medeiro, K. K. A. (2013). Envelhecimento: significado para idosos encarcerados. Rev Bras Geriatr Gerontol, 16(1). https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S180998232013000100014&script=sci_abstract&tlng=pt

Organização Mundial da Saúde. (2019). Redução do risco de declínio cognitivo e demência: diretrizes da OMS.

Pot, A. M., & Petrea, I. (2013). Relatório “Melhoria mundial do tratamento da demência: Ideias e conselhos sobre o desenvolvimento e implementação de um Plano Nacional de Demência”. Bupa/ADI.

Sant'Anna, B. (2021, 23 de junho). Método Científico: como fazer conclusão de trabalho científico [Vídeo]. YouTube. https://www.youtube.com/watch?v=hPasc6ETs-U

Santos, M. O. (2018). Pessoas idosas no sistema prisional: um estudo exploratório a partir do censo penitenciário de 2014, Ceará – Brasil. [Dissertação de Mestrado, Universidade de Brasília]. Repositório Institucional da UnB. https://repositorio.unb.br/bitstream/10482/32280/1/2018_MichelledeOliveiraSantos.pdf

Zalli, M., Farah, H. O., & Antunes, M. D. (2020). Aspectos epidemiológicos e gastos em saúde por demências no Brasil. Rev Medicina, 99(6), 563-567.

Downloads

Publicado

2023-12-23

Como Citar

Alves Costa, L., Bento Lima da Silva, T., & Graeff Chagas Pinto, B. (2023). Fatores de risco para o desenvolvimento de demências: reflexão sobre indicadores sociais e de saúde dos presídios do estado de São Paulo na ótica gerontológica. KAIRÓS-GERONTOLOGIA, 26(33). https://doi.org/10.61583/kairs.v26i33.34

Edição

Seção

Artigos