Relato de experiência de gestão de casos, pós alta, de indivíduos em situação de rua atendidos em um hospital universitário no município de São Paulo (SP)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.61583/kairs.v26i33.25

Palavras-chave:

Gestão de casos, Pós-alta, Idosos, Vulnerabilidade Social

Resumo

A Gestão de Casos (GC) é definida como um processo cooperativo que diagnostica, planeja, implementa, coordena, monitora e avalia opções e serviços, de acordo com as necessidades de saúde de uma pessoa, por meio de recursos disponíveis e de comunicação para promover resultados custo/efetivos e de qualidade. Trata-se de um estudo descritivo do tipo relato de experiência, o qual aborda a vivência de estagiários discentes de graduação em Gerontologia da Escola de Artes, Ciências e Humanidades (EACH) na Universidade de São Paulo (USP), em parceria com a equipe de assistência social de Hospital Universitário (HU) da USP, sobre a gestão de casos, o pós-alta de indivíduos em situação de rua.

Referências

Cecílio, L. C. O., Reis, A. A. C., Andreazza, R., Spedo, S. M., Cruz, N. L. M., Barros, L. S., Carapinheiro, G., Correia, T., & Schveitzer, M. C. (2020). Enfermeiros na operacionalização do Kanban: novos sentidos para a prática profissional em contexto hospitalar? Ciência & Saúde Coletiva, 25(1), 283-92. https://doi. org/ 10.1590 /1413 -8 1 232020251.28362019

Facchini, L. A., Tomasi, E. & Dilélio, A. S. (2018). Qualidade da Atenção Primária à Saúde no Brasil: avanços, desafios e perspectivas. Saúde em Debate, 42(spe 1), 208-23. https://doi.org/10.1590/0103-11042018S114

Felix, J. (2016). O idoso e o mercado de trabalho. Política Nacional do Idoso: velhas e novas questões (Cap. 9., pp. 241-263). Repositório do Instituto de Ciências Econômicas e Aplicadas.http://repositorio.ipea.gov.br/bitstream/11058/9092/1/O%20Idoso%20e%20o%20mercado.pdf

Fundo de População das Nações Unidas. (2012). Envelhecimento no Século XXI: Celebração e Desafio. Resumo Executivo. https://www. unfpa.org/ sites/default /files / pub-pdf/Portuguese-Exec-Summary_0.pdf

Góis, A. L. B. D., & Veras, R. P. (2010). Informações sobre a morbidade hospitalar em idosos nas internações do Sistema Único de Saúde do Brasil. Ciência & Saúde Coletiva, 15, 2859-2869.

Gomes, S. R., Gosling, A., Leite, G. S., & Cintra, R. S. (Orgs.). (2019). Indicadores Sociodemográficos da População Idosa na Cidade de São Paulo. Secretaria Municipal de Direitos Humanos e Cidadania de São Paulo. Coordenação de Políticas para Pessoa Idosa.

Gonzales, R. I. C., Casarin, S. N. A., Caliri, M. H. L., Sassaki, C. M., Monroe, A. A., & Villa, T. C. S. (2003). Gerenciamento de caso: um novo enfoque no cuidado à saúde. Revista Latino-Americana de Enfermagem, 11, 227-231.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2022). Censo 2010: resultados. https://censo2010.ibge.gov.br/resultados.html

Kalache, A. (2008). O mundo envelhece: é imperativo criar um pacto de solidariedade social. Ciência & Saúde Coletiva, 13(4), 1107-11. https://doi.org/10.1590 /S1413-81232008000400002

Lima-Silva TB, Bahia VS, Carvalho VA, Guimarães HC, Caramelli P, Balthazar M, et al. Functional profile of patients with behavioral variant frontotemporal dementia (bvFTD) compared to patients with Alzheimer's disease and normal controls. Dement Neuropsychol. 2013;7(1):96-103.

Lima-Silva, T. B., Ordonez, T. N., Suzuki, M. Y., de Almeida, E. B., Martins, D., & da Silva, H. S. (2012). Propostas de gestão dos equipamentos de atenção ao idoso: Relatos de experiência do profissional gerontólogo. Revista Kairós-Gerontologia, 15, 515-528.

Lima-Silva TB, Suenaga GHS. Elaboração de um plano de gestão de atenção à saúde do idoso aliado à ação psicoeducativa: um estudo de caso. Revista Kairós: Gerontologia. 2012;15(Especial 13):529-45.

Mattos, C. M., Oliveira, M. F., Vilar, A. M. A., Silvino, Z. R., & Andrade, M. (2019). A aplicação do Kanban como ferramenta de gestão em serviços de saúde: revisão integrativa. Nursing (São Paulo), 22(254), 3031-8. https://doi.org/10.36489/nursing. 2019v22i254p3031-3038

Ministério da Saúde. (2020). Desospitalização: reflexões para o cuidado em saúde e atuação multiprofissional. Superintendência Estadual do Ministério da Saúde do Rio de Janeiro.–https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/desospitalizacao_reflexoes_cuidado_atuacao_multiprofissional.pdf

Nunes, B., Soares, M. U., Wachs, L. S., Volz, P. M., Saes, M. O., Duro, S. M. S., Thumé, E., & Facchini, L. A. (2017). Hospitalization in older adults: association with multimorbidity, primary health care and private health plan. Revista de Saúde Pública, 51, 43. https://doi.org/10.1590/S1518-8787.2017051006646

Patrocínio WP. Gestão gerontológica individual. Revista Kairós: Gerontologia. 2015;18(Especial 18):25-38.

Paes, R, Mendonça, R., & Santos, D. (1999). Incidência e natureza da pobreza entre idosos no Brasil. Instituto de Pesquisa Econômica e Aplicada.

Petry, D. (2016). Análise de implantação do Kanban em Hospitais do Programa SOS Emergências. [Dissertação de mestrado, Universidade Federal da Bahia]. Repositório Institucional da UFBA. https://repositorio.ufba.br/handle/ri/21644

Petermann, Xavéle Braatz; Oliveira, Jairo Luiz; Kocourek, Sheila. Morbidade hospitalar de idosos nas internações do Sistema de Saúde caso da Região de Saúde (CIR) Jacuí Centro, RS, Brasil. Rev Kairós, p.467-480, 2019.

Piovezan M, Bestetti MLT. O gerontólogo como gestor de casos: simulação de experiências em estudos distintos e específicos. Revista Kairós Gerontologia. 2012;15(8):201-16.

Portela M, Martins M. Gestão da qualidade em saúde. In: Lopes CMB, Barbosa PR, editores. Educação à distância. Rio de Janeiro: Fiocruz; 2008. p. 70-81.

Salmazo-Silva H, Gutierrez BAO. A educação como instrumento de mudança na prestação de cuidados para idosos. Educ Rev. 2018;34(67):283-96.

Salmazo-Silva H, Silveira MH, Freitas THS. Práticas gerontológicas e os desafios da gerontologia como ciência e profissão. In: Carvalho CMRG, Araújo LF, organizadores. Envelhecimento e Práticas Gerontológicas. Curitiba: CRV; 2017. p. 169-88.

Salomon JA, Wang H, Freeman MK, Vos T, Flaxman AD, Lopez AD, Murray CJL. Healthy life expectancy for 187 countries, 1990-2010: a systematic analysis for the Global Burden Disease Study 2010. The Lancet. 2012;380(9859):2144-62.

Salmazo-Silva H, Silveira MH, Freitas THS. Práticas gerontológicas e os desafios da gerontologia como ciência e profissão. In: Carvalho CMRG, Araújo LF, organizadores. Envelhecimento e Práticas Gerontológicas. Curitiba: CRV; 2017. p. 169-88.

Santos NPS, Viana SDSC, Aliberti MJR, Domingues MARC. O gerontólogo e as novas necessidades de avaliação da saúde do idoso. Revista Brasileira de Ciências do Envelhecimento Human. 2019;16(1):111-15.

da Silva, A. I., Loccioni, M. F. L., Orlandini, R. F., Rodrigues, J., Peres, G. M., & Maftum, M. A. (2016). Projeto terapêutico singular para profissionais da estratégia de saúde da família. Cogitare Enfermagem, 21(3).

Valer DB, Bierhals CCBK, Aires M, Paskulin LMG. O significado de envelhecimento saudável para pessoas idosas vinculadas a grupos educativos. Rev Bras Geriatr Gerontol. 2015;18(4):809-19.

Veras RP, Caldas CP, Cordeiro HA, Motta LB, Lima KC. Desenvolvimento de uma linha de cuidados para o idoso: hierarquização da atenção baseada na capacidade funcional. Rev Bras Geriatr Gerontol. 2013;16(2):385-92.

Veras RP, Oliveira M. Envelhecer no Brasil: a construção de um modelo de cuidado. Ciencia & Saude Coletiva,. 2018;23:1929-36.

Downloads

Publicado

2023-12-23

Como Citar

Valoto, G., Rodrigues Pereira, A., Beltrao Martins, I. C., Jardim, K., Moreira Lima, K., Agdo da Silva, M. L., … Ozello Gutierrez, B. A. (2023). Relato de experiência de gestão de casos, pós alta, de indivíduos em situação de rua atendidos em um hospital universitário no município de São Paulo (SP). KAIRÓS-GERONTOLOGIA, 26(33). https://doi.org/10.61583/kairs.v26i33.25

Edição

Seção

Artigos